Segurança abrange setor pessoal e patrimonial

As construções habitacionais crescem na medida em que as cidades vão se expandindo, ocupando diferentes espaços municipais, a partir dos centros urbanos.

O aparecimento de condomínios residenciais nos entornos limítrofes permitiram mais qualidade de vida, ao mesmo tempo que novos sistemas de segurança precisaram ser instalados, garantindo o conforto e a privacidade dos moradores.

Os equipamentos voltados à segurança predial, e aos eletrodomésticos utilizados no dia a dia, também receberam proteção contra descargas elétricas, motivadas por elementos naturais, como raios; e por defeito nas redes elétricas de fornecimento de energia, disponibilizados por concessionárias do setor.

Regras aplicadas na segurança domiciliar

Seguindo às especificações da ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas, as incorporadoras imobiliárias têm seguido à risca a questão de segurança patrimonial, quanto à instalação de elementos que protegem toda a rede elétrica interna, como o protetor de surto eletrico.

Este tipo de componente garante a proteção dos dispositivos e equipamentos elétricos, ele atua na variação de tensão na passagem de corrente elétrica, em tempo de resposta rápido.

Como o trabalho deste tipo de equipamento é fundamental, para garantir o funcionamento dos aparelhos eletrônicos, por meio da energia elétrica, interagindo com os componentes e materiais da parte interna, seu uso não deve ser ignorado.

Para que todo o processo seja realizado de forma satisfatória, é preciso que sejam contratadas empresas de instalações elétricas que trabalham neste setor, pois os materiais utilizados por eles, possuem características específicas para cada empreendimento imobiliário.

A disponibilidade de um equipamento de para-raios em estruturas prediais, por exemplo, pode resultar em um trabalho mais eficiente, pois o aterramento pode ser feito de maneira específica à toda a estrutura, em conjunto com os dispositivos de segurança que combatem os surtos elétricos.

A proteção é tão importante para as instalações imobiliárias, que as empresas devem apresentar um laudo de aterramento, para garantir a documentação para o uso do prédio, como um todo.

Assim, todo o patrimônio fica protegido, como as pessoas que irão usufruir do espaço, a qualquer tempo.

Outras medidas de proteção necessárias

Como a descarga de energia elétrica pode ser ocasionada por eventos naturais, ou por instalações de rede de energia, para o fornecimento a aparelhos eletrônicos e outros equipamentos, sua segurança deve ser garantida desde o princípio.

Mas, há outros componentes das estruturas imobiliárias que devem receber a devida atenção. Equipamentos de segurança e de combate a incêndio, por exemplo, devem estar presentes em um projeto AVCB, que verifica a estrutura, como um todo.

Com a aplicação de técnicas e implementação de medidas de organização integrada, garante a segurança dos usuários em casos de acidentes, como incêndio ou momentos de evacuação do prédio.

Este tipo de documentação deve ser realizada por profissionais capacitados, previsto em lei, e que devem passar por reavaliação constante, conforme as finalidades a qual o imóvel se destina.

Há equipamentos que precisam passar por vistoria, após a adaptação do local, para atendimento ao público. Nestes casos, é preciso apresentar um plano de reforma NBR 16280, principalmente em condomínios, onde é preciso passar por validação da incorporadora imobiliária, ou do síndico, que é responsável pelo local, conforme as normas condominiais existentes.

Este plano deve ser apresentado quando as obras atingem a estrutura, possíveis vedações, ou instalações de equipamentos como aparelho de ar condicionado, e fornecimento de gás natural, por exemplo.

Por isso, o responsável pelas obras deve apresentar um cronograma, atendendo a certas especificações, como:

  • Projeto e análise técnica supervisionado por profissional responsável;
  • Descritivo de execução e procedimentos aplicados na reforma;
  • Instalação de equipamentos de segurança predial;
  • Registro de todas as alterações realizadas.

O acompanhamento de profissionais da área, como engenheiros e arquitetos, deve ser recorrente, para identificar possíveis alterações, sem interferir na sustentação da estrutura, garantindo a segurança de todos os moradores do condomínio.

A segurança patrimonial e pessoal também deve ser garantida, com a contratação de empresas especializadas, tanto para a área de portaria, como para a ronda, em período integral.

A instalação de CFTV pode facilitar a criação de uma rede interna de câmeras, entre os proprietários de imóveis, para verificar as áreas comuns, como parques, quadras esportivas, e portaria.

A gravação das imagens pode ser um facilitador, para identificar qualquer atitude suspeita, aumentando a sensação de segurança, e cooperando com a segurança pública, de uma forma geral.

Com todos estes cuidados, a valorização de um ambiente social é garantida, proporcionando total segurança patrimonial e pessoal, onde estiver instalado.